segunda-feira, 30 de maio de 2011

Dicas de Português (LOCUTOR, INTERLOCUTOR, ADEQUAÇÃO DA LINGUAGEM) Supletivo em Rede






Texto de Apoio
Objetivo geral:
A noção de interlocução é importantíssima para qualquer trabalho com a linguagem. Partindo do pressuposto que a linguagem é o meio de interação entre as pessoas e que é socialmente compartilhada, temos como evidente que os indivíduos a ajustam, artificial ou naturalmente, dependendo de quem são (interlocutores), de onde estão e do fim visado (situação de comunicação).

A noção de interlocução - que envolve os dois interlocutores e a situação - é uma noção fundamental para qualquer trabalho com a linguagem. Foi escolhida por nós como uma das competências necessárias para se chegar a ser um bom leitor e um bom usuário da língua, falada e escrita, porque a língua que nos interessa estudar e analisar é a língua em uso, que se dá entre aquele que fala ou escreve e aqueles que lêem ou escutam. A noção de interlocução, além de supor a existência de um locutor (o sujeito que fala ou escreve) e de alguém a quem a enunciação é dirigida (o interlocutor), supõe necessariamente a existência de uma situação, a situação de comunicação. É só no cruzamento de um locutor com um interlocutor numa situação específica que um enunciado ganha sentido.

*Tomemos como exemplo a frase Estou com frio. É possível imaginar diversas situações em que ela poderia ser proferida e os mais variáveis sentidos que poderiam ser a ela atribuídos:

1) Feche a janela, por favor.
2) Você sempre deixa a janela aberta.
3) Me aqueça.
4) Vamos embora?

Tomemos como segundo exemplo a frase Há mendigos novamente morando embaixo da ponte. Imagine a diversidade de sentidos que ela pode ter, se proferida por um vereador preocupado com o embelezamento de sua cidade, se proferida por uma assistente pessoal,se proferida por um comerciante das redondezas, etc.
Uma situação de escrita ou mesmo de fala não se dá sempre em forma de diálogo. Isto não significa, no entanto, que não haja um locutor, um interlocutor e uma situação de comunicação. Um conto, por exemplo: ele é narrado por alguém (neste caso, temos um narrador como locutor) e ele é escrito para alguém (os interlocutores, neste caso, são leitores imaginados). Um discurso de um candidato a um cargo político tem como locutor, obviamente, o candidato; como interlocutores, os possíveis eleitores, os partidários e os adversários; a eles o político se dirige e a eles tentará sensibilizar, comover, persuadir, dissuadir.
Chegamos assim a perceber que a noção de interlocução traz outra, atrelada a ela: a noção de adequação da linguagem aos interlocutores, à situação de comunicação e à intenção.

Comentário do Sylvio: As noções de interlocutor, locutor, dialogicidade da linguagem e adequação fazem parte do nosso currículo mínimo. Resolvemos aproveitar, aqui, trabalhos que estão disponibilizados na internet sobre os assuntos de nosso currículo, este é um deles. Sugiro que a parte grifada em vermelho seja trabalhada por nós, alunos e professores, através de dramatizações e produção de textos orais e escritos, contextualizando e complementando com outras frases, em variadas situações de comunicação.

4 comentários:

  1. me ajudou muito a resolver umas quetões,e aprendi muito

    ResponderExcluir
  2. Excelente Texto! O melhor que encontrei até hoje sobre o assunto. Há pessoas que realmente tem o dom para ensinar e passar informações. Obrigado!

    ResponderExcluir
  3. Muito bom!
    Não poderia ser mais claro e objetivo.

    ResponderExcluir